Academia Cbn - Mario Sergio Cortella

Synopsis

Reflexões e provocações sobre o cotidiano e as relações humanas.

Episodes

  • Mergulho interior, a fonte individual

    Mergulho interior, a fonte individual

    28/08/2020 Duration: 02min

    Mário Sergio Cortella faz uma reflexão sobre a arte e sua individualidade. Vários críticos pensaram nessa direção. Álvaro Lins, jornalista e escritor pernambucano, escreveu: "Toda obra de arte é pessoal. A arte só é social na sua sugestão e na sua repercussão".

  • Rotas alternadas, a direção desviada

    Rotas alternadas, a direção desviada

    27/08/2020 Duration: 02min

    Mário Sergio Cortella fala sobre os termos "nortear" e "orientar" e destaca a relação deles com hegemonias históricas. No século XVIII, Voltaire, filósofo francês, um dia escreveu: "hoje é do norte que nos vem a luz". E assim, se passou a falar em "norteado" ou "desnorteado". Do mesmo modo, os termos "orientado" ou "desorientado" se referem a nações do oriente. "Estar norteado ou orientado, dependerá, em larga escala, de qual é o caminho que nós seguiremos no campo da vida humana"

  • Generosidade egoísta, o interesse especial

    Generosidade egoísta, o interesse especial

    26/08/2020 Duration: 02min

    Mário Sergio Cortella faz uma reflexão sobre pessoas que mudam de convicção, sugerindo que isso é uma melhoria, quando é, na verdade, um retrocesso ou algum tipo de oportunismo. Marquês de Maricá um dia escreveu: "Há homens que são de todos os partidos, contanto que lucrem alguma coisa em cada um deles".

  • A proclamação de algo nem sempre corresponde ao que vai acontecer

    A proclamação de algo nem sempre corresponde ao que vai acontecer

    25/08/2020 Duration: 02min

    Mario Sergio Cortella fala sobre a expectativa desviada, o sinal divergente. Pessoas, situações e grandes anúncios que, em vários momentos, fazem tanto barulho, que a gente imagina que virá algo redentor.

  • As sobras nas dobras do tempo

    'As sobras nas dobras do tempo'

    24/08/2020 Duration: 02min

    Mario Sergio Cortella fala sobre passagem apressada, a visão distante. 'Momentos em que a passagem da vida, que é apressada de um lado, também nos oferece um horizonte mais longínquo'.

  • A natureza exige que tenhamos muito mais com ela uma parceria do que apenas um uso

    'A natureza exige que tenhamos muito mais com ela uma parceria do que apenas um uso'

    21/08/2020 Duration: 02min

    Mario Sergio Cortella faz uma reflexão sobre resistência contínua, a presença original. 'Nossa fragilidade perto de outras forças da natureza nos oferece a necessidade de abandonarmos qualquer soberba'.

  • Pessoas que sabem o que sabem, e sabem também o que não sabem

    Pessoas que sabem o que sabem, e sabem também o que não sabem

    20/08/2020 Duration: 02min

    Mário Sergio Cortella faz uma reflexão sobre humildade exemplar, a sabedoria expressiva. Comentarista destaca que há pessoas que se engrandecem exatamente porque não se colocam acima do que realmente são.

  • Nossa identidade pode ser mutante

    Nossa identidade pode ser mutante

    19/08/2020 Duration: 02min

    Mário Sergio Cortella fala sobre percepção alterada. Ele destaca que a nossa vida passa e nós também. Mantemos apenas o que chamamos de identidade. Marquês de Maricá uma vez escreveu: "Temos o mesmo nome nas diversas idades da vida. E, contudo, somos bem diferentes de nós mesmos em todas elas". Ou seja, nossa identidade também sofre alteração.

  • Recordação esquecida

    Recordação esquecida

    18/08/2020 Duration: 02min

    Mario Sergio Cortella fala sobre lembrança súbita. Cortella fala de 'gente que alega não mais ter noção dos fatos, pessoas que parecem ter uma memória seletiva'.

  • Há um visível que a gente quer invisibilizar

    'Há um visível que a gente quer invisibilizar'

    17/08/2020 Duration: 02min

    Mario Sergio Cortella reflete sobre o visível e o invisível, a perda intensa. Ele destaca que Fernando Pessoa, na obra 'Cancioneiro', usou uma das expressões mais densas para descrever a percepção de perda: 'a morte é a curva da estrada. Morrer é só não ser visto'.

page 2 from 2